Bem-vindo à Clívida!

Opening Hours : geral@clivida.pt
  Contact : 234 481 600

Dr. João Barosa no canal Saúde +

João Barosa, médico otorrinolaringologista da Clivida participou no episódio 3 da 2ª série do programa “Histórias Clínicas” do canal Saúde + (canal 129 da NOS).

 

O programa foi apresentado por Paula Rodrigues, médica de Medicina Geral e Familiar e contou também com a participação de Ricardo Portugal, médico oftalmologista.

 

O tema do programa foi “Rastreio Auditivo e Visual”.

 

Na perspectiva da otorrinolaringologia foram abordados, de modo acessível para todos, temas como: o que é uma surdez; como se classifica uma surdez; qual a importância do rastreio auditivo; como é feito o rastreio auditivo em crianças e adultos e quais os tratamentos disponíveis para os casos de surdez (originados por problemas no ouvido interno) encontrados no rastreio.

 

Salientamos como mensagem principal o facto de os casos de surdez, desde que detectados precocemente, poderem ser reabilitados e permitir uma vida perfeitamente normal.

 

No caso das crianças, o rastreio auditivo permite facilmente detetar, todos os anos, à nascença mais de 400 casos de surdez permanente e significativa (severa ou profunda). Caso a reabilitação auditiva seja iniciada até ao 6ª mês de vida é possível ultrapassar todas as limitações que a perda auditiva implica e a criança poderá desenvolver todo o seu potencial.

 

No caso dos adultos, a perda de audição por envelhecimento inicia-se pela 4ª década de vida. Na maior parte das situações, o próprio não dá conta das dificuldades e são familiares/amigos que se apercebem que a pessoa em causa fala muito alto, põe a televisão também muito alto e responde “B” quando lhe questionam “A”.

 

As dificuldades de comunicação no idoso contribuem negativamente para quadros de depressão e demência.

 

O tratamento é importante para permitir que a pessoa envolvida possa ter uma boa qualidade de vida mantendo inalterada a sua capacidade de interacção familiar/social.

 

O estudo e tratamento destes casos deve ser feito mediante a orientação de médico otorrinolaringologista.